Eu digo NÃO!

Em defesa da língua portuguesa, o autor deste blogue não adopta o "acordo ortográfico" de 1990 por este ser inconsistente, incongruente e inconstitucional, para além de, comprovadamente, ser causa de crescente iliteracia em publicações oficiais e privadas, na imprensa e na população em geral.


20/02/2009

Sem utilidade?

Ó gente da minha terra, será que a antiga escola primária vai ficar indefinidamente sem qualquer utilidade?
É uma pena que esse edifício não esteja aproveitado quando a freguesia tem tantas carências ao nível de estruturas para apoiar grupos, associações e colectividades de índole cultural, recreativo, desportivo e do bem-estar social.
Galegos Santa Maria até já tem uma associação que pretende desenvolver trabalho no campo social e de apoio à infância e terceira idade, contudo, porque lhe foi barrada a possibilidade de utilizar um terreno que é nosso, de todos nós, cidadãos e habitantes desta terra, sim, estou a falar do passal, não entendo porque não concedem à Associação Galo Novo permissão para utilizar e usufruir deste edifício, seria uma mais-valia para todos nós, em particular, para todos aqueles a quem se destina a associação.
Porventura o edifício não terá as condições ideais pretendidas pela associação, mas pelo menos tinham um espaço onde poderiam procurar desenvolver e aperfeiçoar o projecto sonhado, já sem falar na questão do pagamento da renda! Com um pouco de boa vontade e colaboração entre todos, o espaço até poderia ser reconvertido e adaptado para as finalidades programadas, seria tudo uma questão de estudo e avaliação.
Não podemos é continuar neste marasmo em que nos encontramos, onde tudo parece estar subordinado à vontade de poucos, e a maioria se mantém impávida e serenamente à espera que algo aconteça.
Meus senhores, está na hora de dar um "murro na mesa" e começar a motivar a população para as vantagens que advirão de apoiar e acarinhar iniciativas que tenham como objectivo ajudar, apoiar e cuidar dos mais necessitados, e acreditem, há muita gente a precisar de ajuda.
Mais, porque é que temos de estar sempre à espera que alguém faça ou mande fazer aquilo que podemos fazer nós? Não é preciso criar uma associação, estar legalizados, basta juntar dois ou três amigos, ou conhecidos, há tantas pessoas reformadas com valor e capacidades para isso, depois há que arranjar um espaço, e daí começarem a convidar outros para que apareçam para jogar as cartas, conversar, ler o jornal, cantar, trocar ideias, tomar um chá ou até visitar e ajudar aqueles que estejam limitados em suas casas, num serviço de solidariedade e entre-ajuda.
Para a Associação Galo Novo uma crítica construtiva.
Não queiram começar com grandes e ambiciosas ideias, projectos ou objectivos, é preferível começar devagar, com coisas simples, cativarem as pessoas, promoverem a imagem e as vantagens que possam advir de uma relação mútua no futuro, sem estarem a exigir a obrigação de as pessoas se tornarem sócias para usufruírem das iniciativas e eventos que promoverem, pois não é com "vinagre que se caçam moscas", é preciso primeiro que as pessoas apareçam, se sintam bem e depois sim, quando sentirem e compreenderem verdadeiramente o espírito que vos norteia, então sim, haverá condições para passar à fase seguinte, a contrapartida para o apoio e ajuda de que beneficiam.
Por fim, não posso esquecer também outro edifício que faz parte da nossa história recente, também ele devoluto e sem aproveitamento, o posto do leite.
Com algum cuidado e diplomacia junto dos proprietários, penso que seja Agros, ou o Grupo Lactogal, poderíamos conseguir mais um espaço, embora não muito grande, para aí instalar ou desenvolver actividades recreativas, culturais, desportivas, didácticas ou de outra qualquer índole, convertendo-o em mais um pólo de valorização e enriquecimento para a freguesia.
Agora que deixei estas propostas no ar, e desabafei o que há muito tempo tinha guardado só para mim, aguardo com expectativa o vosso feedback (eco) às minhas propostas. Conto com os vossos comentários, façam-os chegar a quem de direito.

2 comentários:

Filipe Abreu disse...

Eu partilho da tua opinião e do teu sentir.
Esses edifícios e lugares que enumeras são sem dúvida, parte da memória de todos, aos quais infelizmente não tem sido dado o devido valor e correcta utilização.

Desconfio porém, que numa triste cópia provinciana do comportamento nacional, acabe por aparecer algum projecto secreto, (cozinhado no conluio de alguns poucos iluminados), que inaugurado no meio de bombos, fitas e foguetes, acabe por cegar de vaidade a gente da terra, qual migalha de ouro que se dá ao que morre de fome.

Uma comunidade que perde a sua história, perde a sua memória.
Aos poucos, e em troca de alguns votos de conveniência e medo, e de uns padre nossos de receio, vão-se calando as vozes.
O tempo julgará tudo isso.
Decerto, nessa altura, será tarde.
Mas, como canta a Isabel Silvestre, "cada um tem a sina que tem, os caminhos são sempre de alguém..." Teremos o que caminho que escolhermos.

Parabéns pelo teu blog. Não sei se recebeste a minha mensagem de há dias... ainda que não seja consensual, o teu trabalho e iniciativa é de um valor inestimável.
Tenho espalhado a notícia do teu trabalho sempre que posso! Continua com o excelente trabalho: passou a ser uma página de consulta diária para mim!

Parabéns! Um abraço.

Francisco Sousa disse...

Obrigado Filipe.
Com certeza que vi o teu comentário, e registei-o com orgulho.
No entanto, também estou consciente da responsabilidade que tenho entre mãos, vou tentar criticar quando devo criticar, elogiar quando tiver de elogiar, mas, acima de tudo falar e mostrar Galegos Santa Maria.
Francisco Sousa
Fico à espera da tua contribuição.
Obrigado.